Pizza Low-Carb com Base de Couve Flor ~ iCook™

Esta pizza é excelente para quem quer manter os hidratos de carbono controlados, normalmente é feita no forno mas a que vos trago é feita integralmente na Frigideira iCook™. A confecção é rápida e fica uma delicia, aprovadíssima por quem se sentou à mesa♥

Passemos ao que interessa, precisamos de uma cabeça de couve flor, queijo parmesão e mozzarella ambos ralados, 1 ovo, 1 dente de alho picado (pode ser em pó), manjericão picado e molho de tomate, eu fiz o molho de raiz mas podem utilizar o que for mais prático para vocês.

Para preparar basta levar a couve flor 5 minutos, potência máxima, ao microondas e de seguida triturá-la até ficar uma pasta. Colocar a couve flor num pano e espremer até retirarem o máximo de água possível, espremam como se não houvesse amanhã 🙂


Quando a vossa couve flor estiver como a da foto, a bola bem redondinha, está boa para misturar com os restantes ingredientes, eu misturei à mão, e estender a base. Convém que o façam em cima de papel vegetal e tenham em atenção que esta massa é muito mais frágil que a que é preparada com farinha.

Agora é colocar o molho de tomate e usar os ingredientes de eleição, se possível apostemos nos biológicos, preferência aos produtos nacionais, ajudamos a economia e o transporte até nossas casas polui menos o planeta, e frescos pela nossa saúde, vamos fugir o mais que nos for possível dos processados!

A nossa, a pedido especial, foi tipo lasanha de cogumelos frescos e queijo mozzarella finalizando com salpicos de oregãos, dos Deuses!

Deixo-vos um pequeno vídeo que já tinha postado no Facebook e espero que tenham sempre… Bon appétit♥

Agora em Kg… Quantos já perdeste?

{ 1ª Avaliação ~ Abril 2017 }

Quando iniciei a minha #alteraçãodehábitos fui acompanhada por uma nutricionista, a Tânia Camões, que também tinha parceria com o projecto que ajudo a desenvolver, o Vitamina-te.


👉 No 1º mês que me avaliou, Abril, escreveu o seguinte:

” O que nos propusemos:

  • Reeducação alimentar, com base num regime paleo:
    • Exclusão de alimentos que contenham glúten
    • Exclusão de leite e derivados
    • Exclusão de alimentos processados, refinados e com açúcar de adição
    • Refeições principais compostas por fontes proteicas animais (carne, peixe, ovos) acompanhadas com legumes
    • Aumento da ingestão de alimentos ricos em ácidos gordos essenciais (frutos oleaginosos e sementes), sobretudo como forma de enriquecer snacks
    • Jejum de 12h (maioritariamente feito no período da noite)

Inicialmente não foi aconselhada uma dieta completamente restrita em hidratos de carbono, sendo a batata, batata-doce e algumas leguminosas algumas opções disponíveis. Contudo, destas opções a única escolhida pela Sónia para ingerir de forma esporádica, foi a batata-doce.

O jejum de 12h foi levado tão à risca que na maioria dos dias se estende às 18h. Veremos se poderá ter tido implicações!

1 mês e 12 dias depois, os resultados, do ponto de vista da composição corporal foram os seguintes:

  • Menos 7,7 kg
  • Menos 2% de Massa Gorda (perda generalizada em todos os segmentos corporais)
  • Redução de 2 valores de gordura visceral
  • Mais 2% de água
  • Menos 2,4kg de Massa Muscular

Sem dúvida que esta perda de massa muscular pode ser o único aspecto menos positivo desta nossa viagem. Contudo, nunca nos podemos esquecer da individualidade inerente aos processos de mudanças de hábitos: só existe uma Sónia e mais do que nunca, este processo tem de ser feito à sua medida.

Para o próximo mês, as minhas sugestões são as seguintes:

  • Introdução de uma terceira refeição, a meio da tarde, rica em proteína e gordura
  • Reforço proteico após o treino
  • Reajuste nos horários das refeições / Jejum, sempre mantendo o princípio de respeito pelos mecanismos de saciedade
  • Reforço muscular com treino de força”.

De facto eu fiz mais restrições na minha “dieta” alimentar do que as que me tinham sido indicadas pela Tânia, mas não me obriguei a tal e não me senti privada de nada!

Durante 1 mês e 12 dias, dando um pequeno exemplo, comi feijão preto duas vezes porque o preferi às batatas fritas e arroz que acompanhavam a picanha 😉 é tudo uma questão de escolhas! Ao contrário do que possa parecer não ando a contabilizar as vezes que como isto ou aquilo, não faz parte do plano, simplesmente tenho cuidado com o que ingiro pois tenho um objectivo bem definido!

Isto era válido em 2017 e também o é um ano depois, se o foco for na mudança os resultados aparecem!!

Tosta Sem Pão!

Esta tosta é uma delicia e come-se sem a “culpa do pão”, aqui fiz uma só com queijo Gouda (Bio) e outra com queijo e presunto, de chorar por mais!!

“Tosta sem Pão”:
~ 1 colher de sopa de Fécula de Tapioca
~ 1 colher de sopa de Iogurte Grego Natural
~ 1 Ovo

Misturar tudo com a varinha mágica e verter para a tostadeira bem quente. Deixar “cozinhar” até tostada e rechear a gosto.

Acompanhei com um Batido:

~ Bebida de Amêndoa
~ 3 Morangos congelados
~ 1 colher de chá de  Farinha de Alfarroba
~ 1 colher de sopa de Proteína Total das Plantas NUTRILITE™
Triturar tudo a gosto e… A P R E C I A R ❤

Dá Cor à Tua Dieta Alimentar ~ Verde

REFRESCA A TUA DIETA COM VERDE

Os alimentos da cor VERDE fornecem o bem-estar das células e artérias. Além disso oferecem uma protecção antioxidante.

As frutas e vegetais verdes frescos incluem 👇

💚 Abacate, alface, azeitona verde, brócolos, coentros, couve, ervilhas, kiwis, pepino, pimento verde, repolho, salsa, espinafres, agriões, entre outros.

💚 São alimentos ricos em magnésio o qual favorece o relaxamento muscular e diminui a sensação de cansaço.

💚 Ácido fólico que é importante durante a gravidez para que o bebé cresça adequadamente.

💚 Luteína, um antioxidante.

💚 Fibra e Potássio que melhoram a digestão, previnem a prisão de ventre e doenças cardiovasculares.

OMS diz para ingerirmos 5-9 porções de fruta e vegetais por dia, cerca de 400 g, mas 8 em 10 pessoas não o fazem. Por falta de tempo e factores ambientais que reduzem os níveis de nutrientes das plantas criamos esta lacuna entre o que comemos e o que precisamos!